Caruaru inicia oficialmente ciclo junino no dia 1º de Junho

Foto: Janaína Pepeu

Cidade pernambucana tem, entre outras atrações, o maior Centro deArtes Figurativas das Américas.

 

Quem conhece o Nordeste deve saber que a maior festa popular dessa região é o São João, comemorado em 24 de junho.  Mas Caruaru, cidade distante 130 Km da capital Recife/PE, leva o título de Maior São João do Mundo a sério. As atividades juninas começaram em Caruaru no dia 18 de maio, mas a expectativa para a festa continua alta, afinal, é no dia 01 de junho que o ciclo junino oficialmente começa e somos apresentados a toda força e esplendor do São João. A festa vai até o dia 14 de julho, quanto acontece a última das comidas gigantes, outra tradição na cidade.

Tão grande quando a força da tradição junina são os números que ela movimenta: Em 2018 mais de 2 milhões de pessoas foram atraídas pela festa e prestigiaram as mais de 500 atrações artísticas, resultando em mais de 97% de ocupação da rede hoteleira da cidade durante os principais dias do evento. Cerca de 6 mil empregos (diretos e indiretos) foram gerados e a movimentação da economia local girou em torno de 200 milhões.

Com novos polos de animação, quase dois meses de festa e ainda mais diversidade na programação, a edição de 2019 promete ser histórica, com números ainda mais significativos e visitantes cada vez mais satisfeitos.

 

Os Polos

Além de manifestações populares como quadrilhas, bacamarteiros e variadas expressões culturais, este ano a festa conta com 24 polos de animação espalhados por toda a cidade, cada um com uma proposta diferente.

No Pátio do Forró, maior palco do evento, são realizados os grandes shows. A partir do dia 1º de junho, nomes como Marília Mendonça, Alok, Bruno e Marrone, Fagner, Fulô de Mandacaru, Léo Santana, Zé Neto e Cristiano, Petrúcio Amorim, Xand Avião, Jorge de Altinho, Azulão e Elba Ramalho irão abrilhantar a festa.

Forró é a essência doPolo Alto do Moura, espaço voltado apresentações artísticas mais tradicionais. O título dado pela UNESCO de *Maior Centro de Artes Figurativas das Américas* faz jus ao local, que concentra a efervescência do artesanato e da arte caruaruense. Lá as apresentações vão acontecer durante todo o mês de junho, aos sábados, domingos e no dia de São João (24), das 12h às 18h. Artistas consagrados na região como Assisão,Santanna e Joquinha Gonzaga marcam presença na programação, que conta também com trios Pé de Serra trazendo o autêntico forró raiz.

Já no Azulão o foco são atrações alternativas, com espaço para o rock, coco de roda, samba e maracatu. Por lá passaram nomes como Lenine, Chico César, Siba e Cordel do Fogo Encantado, sempre com uma boa recepção do público, mostrando que no São João de Caruaru há espaço para diferentes ritmos e linguagens. Este ano as apresentações acontecerão sempre as sextas e sábados. (à confirmar)

Indo para o oposto dessa modernização da festa, temos os mais tradicionais: o Polo do Repente, que valoriza essa arte brasileira baseada no improviso cantado, e o São João na Roça, um verdadeiro polo de animação itinerante, que visita as comunidades da zona rural do município realizando shows e atividades. Essa ação, iniciada em 2017, aumenta progressivamente o número de vilas e povoados atendidos, este ano serão 12. Além de beneficiar a população das comunidades, que muitas vezes enfrentam dificuldades ao vir para a cidade, levando cultura e lazer, o São João na Roça é a opção perfeita para os visitantes que buscam uma experiência de imersão no que era o São João de décadas atrás, num cenário real do agreste nordestino.

Mas a grande novidade de 2019 é mesmo o Polo Monte Bom Jesus. O Monte, um marco na história e na geografia de Caruaru, passou dois anos atrás por um intenso processo de revitalização e, pela primeira vez na história da cidade, será protagonista no São João. O espaço, uma das melhores vistas da cidade, vai receber apresentações dedicadas ao que há de mais autêntico e tradicional no forró.

 

Comidas Gigantes

Comidas típicas do período junino produzidas em tamanhos monumentais enchem os olhos (e os estômagos) da população local e dos turistas que visitam Caruaru durante o São João. As chamadas “Comidas Gigantes” são uns dos principais atrativos da festa.

Este ano mais de 40 comidas irão participar do São João de Caruaru 2019. Todas elas, sem exceção, serão realizadas com apoio da Prefeitura. Bolo de milho, cuscuz, tapioca, bolo barra-branca, canjica… – a lista segue. São dezenas de opções para quem deseja conhecer mais sobre as tradições do interior pernambucano e sua gastronomia.

Entre as festas está a do Bolo de Rolo Gigante. A iguaria, uma das que melhorrepresenta Pernambuco, se apresenta numa versão de 30 metros, levando no seu preparo mais de 100kg de farinha de trigo, 60kg de açúcar, 65kg de margarina, 30 bandejas de ovos e 5 baldes de goiabada cremosa.

O Maior Cuscuz do Mundo, que acontece junto a Caminhada do Forró, também faz parte do calendário e é um dos momentos mais aguardados pelos turistas. Ano passo o cuscuz foi produzido com 800 quilos de floco de milho e 200 quilos de sardinha e salsichas. Cerca de 50 mil pessoas acompanharam o evento.

Este ano 36 festas serão realizadas na cidade e seis na zona rural. Segundo informações da Policia Militar de Pernambuco, mais de 200 mil pessoas circularam nas 32 festas realizadas em 2018. Em 2019 o número de comidas gigantes subiu para 42, portanto é esperado também um aumento expressivo de público.

 

Identidade Visual

Nem só de bandeirolas e fogueiras é feita a decoração do São João e a Prefeitura de Caruaru sabe disso. Nos últimos dois anos o estilista Ronaldo Fraga fez um belíssimo trabalho desenvolvendo a identidade visual da festa, mas em 2019 alguém mais próximo foi convidado. A identidade visual do São João 2019 será assinada pelo xilogravurista e Patrimônio Vivo de Pernambuco, J. Borges. Já a cenografia é assinada pelo experiente Walther Holmes, responsável por, entre outros trabalhospela confecção do boneco gigante do Galo da Madrugada, do Carnaval do Recife .

  1. Borges é um dos maiores artistas pernambucanos e traz em suas obras temas como amor, castigos do céu, milagres, folguedos populares e religiosidade. Sua técnica de xilogravura (gravura feita em madeira e depois reproduzida em outra superfície) fez com que alcançasse reconhecimento nacional e internacional. Com 83 anos, o artista continua produzindo e hoje essas xilogravuras são impressas em diversos tamanhos e vendidas a intelectuais, artistas e colecionadores de arte.

Quatro imagens foram criadas ele exclusivamente para o São João de Caruaru 2019: Um tocador de pífano, fazendo alusão a um dos homenageados deste ano, o Mestre Sebastião Biano, único integrante vivo da Banda de Pífanos de Caruaru; o Monte Bom Jesus, que este ano será contemplado pela 1º vez com um polo junino; a Feira de Caruaru, um dos principais componentes da história do município, e a fonte que será utilizada em todas as peças de divulgação.

 

Homenageados– Todos os anos personagens importantes são escolhidos e homenageados no São João. Em 2019 quatro foram escolhidos:

Sebastião Biano – Único integrante vivo da original Banda de Pífanos de Caruaru, ele completa 100 anos no dia 23 de junho, véspera do dia de São João. Aprendeu a tocar pífano aos cinco anos e, ainda criança, tocou para Lampião.  Na década de 70, o som da Banda de Pífanos foi apresentado a Gilberto Gil. Encantando com o que viu e ouviu, Gil saiu de Caruaru disposto a fundir as influências musicais que vinham de fora com o que o Brasil já tinha, num link entre Beatles e a Banda de Pífano de Caruaru. Foi basicamente por causa disso que no ano seguinte, em 1968, nasceu o “Panis et Circense” e a partir daí se deu início a fase que nós chamamos de Tropicalismo.

Marlene do Forró – Marlene do Forró é uma autêntica artista caruaruense. Irreverente, canta vários ritmos para agradar seus fãs, mas é no chamado “forró de raiz” onde mostra todo seu esplendor. Com quase 20 anos de carreira e devoção à música nordestina, Marlene é conhecida por sua energia quando sobe ao palco e pela dedicação aos ritmos nordestinos, principalmente o forró, levando-o até no nome.

Severino Vitalino (in memorian) – O artesão Severino Vitalino nasceu no Sítio Campos, na zona rural de Caruaru, e ainda criança mudou-se com a família para o Alto do Moura. Lá viveu até seu falecimento, no dia 7 de janeiro de 2019, aos 78 anos de idade. Severino é filho do Mestre Vitalino e era continuador de sua obra e estilo. Na Casa Museu Mestre Vitalino moldava e vendia suas peças, sempre rememorando com alegria os saudosos tempos em que seu pai estava vivo.

Fogueteiro Manoel Mamoca (in memorian) – Manoel Bezerra da Silva (1905-1965) chegou em Caruaru na década de 1920 e trouxe consigo a base do artesanato de fogos de artifício, sendo especialista na manufatura de bombas de pavio, chuveirinhos, foguetões, vira-serra e meia-salva. Tradicionalmente era sua a apresentação do espetáculo pirotécnico do réveillon (no Monte do Bom Jesus e sobre o telhado da Igreja da Conceição) durante décadas.

Marrone do Palhoção – Italiano, chegou a Caruaru após passar pelo Rio de Janeiro e Salvador.  Na década de 60, começou o Palhoção do Bairro Petrópolis, trazendo artistas famosos como Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Trio Nordestino e Marinês. Esse palhoção foi o início da tradição de Maior São João do Mundo, que Caruaru honra até hoje.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *